Um pouco de gramática, lição 2. Artigos

Como vimos na primeira lição, as palavras em wolof podem vir seguidas ou antecedidas por uma partícula determinante que serve como um artigo definido/indefinido e que pode a classificar em diferentes classes de palavras, cada uma com um significado diferente. Hoje vamos ver como podemos identificá-las e como usá-las.

2. Os Artigos

Podemos distinguir em Wolof seis tipos diferentes de artigos. Eles são: artigo simples, demonstrativo, relativo, quantitativo, interrogativo e possessivo. Alguns destes, para nós falantes de língua portuguesa, corresponde, com os nossos pronomes relativos, possessivos, interrogativos e etc., mas no wolof são todos chamados artigos. Sendo assim, iremos os chamar de artigos. Vamos começar!

2.1 Artigos simples

2.1.1 Artigo simples indefinido

2.1.1.1 Artigo simples indefinido singular:

Ele vem sempre antes do nome. A vogal a- que participa na formação do artigo não tem nem valor semântico nem valor gramatical. Ela serve apenas de apoio à consoante de base do artigo e a uma variante em u-. Por exemplo:

Xarit b– = amigo
Ab xarit = um amigo
Ub xarit = um amigo

Ele pode ser contraído com a palavra que o antecede. Veja:

May na ma aw nag =  May na maw nag.
Ele me ofereceu uma vaca.

2.1.1.2 Artigo simples indefinido plural:

Ele vem imediatamente antes do nome. A vogal a- que entra na formação do artigo não tem nem valor semântico nem valor gramatical, mas serve de apoio a consoante base do artigo. Não tem variante como no caso do artigo singular onde pode-se utilizar o “u”.

Ay xarit = uns amigos

O artigo indefinido plural pode as vezes ser reduzido a i.

I xarit = uns amigos

Ele pode ser contraído com a palavra que o antecede. Veja:

May na ko ay nag =  May na koy nag
Ele lhe ofereceu umas vacas.

2.1.2 Artigo simples definido

O artigo simples definido, singular ou plural, vem sempre depois do nome ou determinante. A partícula de determinação do artigo definido será:

-i se o determinante ou o nome é algo próximo no espaço e/ou no tempo:

Xarit b–  = amigo
Xarit bi  = o amigo

Xarit y-  = amigos
Xarit Yi  = os amigos

-a se o determinante ou nome é algo distante no espaço e/ou no tempo:

Xarit ba = o amigo (está longe do lugar ou do tempo, ex.: “aqueles amigos”)

Xarit ya = os amigos (está longe do lugar ou do tempo, ex.: “aqueles amigos”)

 

2.2 Artigo Demonstrativo (em português equivale ao pronome relativo)

O artigo demonstrativo, singular ou plural, pode vir antes ou depois do nome. A escolha da partícula de demonstração do artigo depende da posição do locutor e do seu interlocutor em relação ao que se fala.

2.2.1 Referência próxima do locutor = -ii

Obs. No português nós utilizamos “este, esta” e “estes, estas”.

Xale bii = “esta criança” ou “esta criança aqui”
Bii xale = “esta criança” ou “esta criança aqui”
Xale yii = “estas crianças ou estas crianças aqui”

Usamos –ii quando vamos falar de algo que está proximo de nós.

2.2.2 Referência próxima ao interlocutor, com quem falamos: -oo-u

Obs. No português nós utilizamos “esse, essa” e “esses, essas”.

Utilizamos a letra do artigo mais -oo-u. Por exemplo, a partícula que utilizamos para “xale” é –b. Então, para dizer “essa criança” ou “essa criança próxima de ti”, utilizaremos a partícula b + oo + b + u = boobu.


Xale boobu = “essa criança” ou “essa criança próxima de ti”.
Boobu xale = “essa criança” ou “essa criança próxima de ti”.
Nag woowu = “essa vaca próxima de ti”, “essa vaca”. (nag w+oo+w+u)

2.2.3 Referência longe do locutor e do interlocutor: –ale

Obs. No português é o mesmo que “aquele, aquela”, “aqueles, aquelas”.

Para dizer ou mostrar que algo está longe dos dois no tempo e na distância, utilizamos a partícula da classe da palavra, como no caso de xale que é –b, mais ale.

Xale bale = Aquela criança, aquela criança lá. (Xale B+ale)
Bale xale = Aquela criança, aquela criança lá.
Xale Yale = Aquelas crianças lá. (Y que significa plural + partícula ale = Yale)
Kër gale = Aquela casa, aquela casa lá.

Alguns falantes de wolof reduzem a partícula –ale para –ee:

Xale bee = Aquela criança, aquela criança lá
Kër geeAquela casa, aquela casa lá.

2.2.4 Referência longe dos dois, mas relativamente mais próxima do interlocutor do que do locutor -oo-ale.

Quando queremos mostrar ou mencionar algo que está longe dos dois (falante e ouvinte), mas está mais próximo de quem escuta, utilizamos a partícula classificadora da palavra mais -oo-ale. Exemplo: vaca = nag + partícula classificadora -w, nag w– então para formar aquela vaca (relativamente mais próxima do ouvinte) utilizamos w+oo+w+ale = woowale. Exemplos:

Xale boobale  = Aquela criança ali [próxima de você]
Boobale xale = Aquela criança ali [próxima de você]
Xale yooyale = Aquelas crianças ali [próximas de você]

Alguns falantes de wolof reduzem a partícula “-oo-ale” para “-oo-a” ou ainda “-oo-e”, mas se mantém o mesmo sentido e significado.

Xale booba = Aquela criança ali
Xale boobee  = Aquela criança ali.

2.3 Artigo Relativo

Ele introduz um verbo que serve de determinante.

2.3.1 Artigo Relativo indefinido

Ele é formado pelo classificador da palavra mais o conectivo neutro –u.

Kër g– = Maison (substantivo)
Mag = Grande (adjetivo)

Kër gu mag = Casa grande
Ag kër gu mag = Uma casa grande
Kër gu mag giA casa grande

Se analisarmos, para formar apenas a palavra casa, utilizamos kër g-. Para falarmos ‘casa grande’ utilizamos kër mais o classificador g– mais a partícula neutra –u e o adjetivo grande (mag), ficando kër gu mag. Para dizermos uma casa grande, adicionamos a partícula que representa o artigo indefinido “–a” mais o –g que nos mostra qual classe de palavras pertence “kër” (casa), ficando “ag kër gu mag”. Para dizermos “a casa grande”, basta acrescentar o artigo definido após a sentença: Kër gu mag gi. Vejamos outro exemplo:

Coy b- = papagaio (substantivo)
Wax = falar (verbo)

Coy buy wax = “Papagaio falante” ou “papagaio que fala”
Ab coy buy wax = um papagaio falante

É interessante que nessa sentença acrescentamos a partícula y após o bu (bu+y), para indicar uma ação, pois o verbo wax é um verbo de ação, com isso indicamos que o papagaio está falando.

2.3.2 Artigo relativo definido

É formado do classificador da palavra e o conectivo –i. Ele introduz um verbo determinante, que classifica algo.

Coy –b = papagaio (substantivo)
Wax = falar (verbo)

Coy biy wax = o papagaio que fala.

 

2.4 Artigo quantitativo

Nós veremos aqui dois tipos diferentes de artigos. O primeiro é o artigo –epp. Ele indica uma totalidade, tudo. Colocamos essa partícula após o determinante de uma palavra. Por exemplo:

nit ñ– = pessoas

nit ñepp = todas pessoas

 

dëkk b = cidade

Dëkk bépp = toda a cidade

O outro artigo é o –een. Ele significa “outro“. Sua base é o numeral benn (um) ou um de seus variantes. Ele pode ser colocado antes ou depois da palavra.

Beneen yoon = Outro caminho
Wool ma beneen xale = Me chame outra criança.

 

2.5 Artigos interrogativos

São colocados antes ou depois da palavra determinada. São eles: ban; gan; jan; kan; lan; man; san; wan; yan; ñan. São utilizados de acordo com a classe da palavra.

Kër g- = casa (substantivo)
Kër gan? = Casa?

 

2.6 Artigos possessivos

No singular eles possuem a seguinte forma:

Sama (ou suma)                             meu /minha
sa                                                        teu / tua
am                                                     seu / sua
Sunu                                                   nosso / nossa
Seen                                                    vosso / vossa
Seen                                                    seu / sua

Exemplos:

Sama xarit = meu amigo
Xaritam = seu amigo

Na terceira pessoa do singular, coloca-se a partícula –am depois da palavra, tal como no exemplo acima.

Artigos Possessivos no plural:

Samay                 meus, minhas
Say                       teus, tuas
Ay …-am             seus, suas
Sunuy                  nossos, nossas
Seeni                    vossos, vossas
Seeni                    seus, suas

Exemplo:
Samay jën.         Meus peixes
Ay jënam             Seus peixes (3ª pessoa do singular)

 

Nen Du bëre ak doj

Um ovo não pode combater contra uma pedra. (Lit.: O homem não pode contra a vontade de Deus)

Filipe Cordella

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *